SIMBOLOGIA DA GRUTA DA MEMÓRIA

Inscrições ou arte rupestre sempre me fascinaram, desde minha infância quando me foi dado meu primeiro patrimônio cultural ; a enciclopédia Larousse ( na minha infância não tinha buscador do google) , e dentre aqueles doze livros , grandes , grossos e pesados; O de artes , arquitetura, biologia, pré-história, história e geografia eram meus bons companheiros.

Nestes volumes processei um dos maiores conceitos de encanto pela arte; as fantásticas inscrições da gruta de Lascaux, na França; nos volumes da enciclopédia, entre as páginas em preto e branco, na sequencia encaixavam-se páginas de um papel diferente com imagens a cores sempre que o assunto abordado exigia um referencial de cores, seguindo-se a imagens de Lascaux, vinha as da caverna de Altamira na Espanha; e a criança sonhava em ser artista na pré-histórico.

Recentemente encontrei em meus arquivos imagens de um estudo cuidadoso, que realizei da pedra do Ingá, no estado da Paraíba, que está entre as artes rupestres , mais estudadas e celebradas que chegaram a nosso tempo, Foi decisivo! Para interpretar; copiar nunca! Toda “simbologia na gruta da minha memória”.

A arte rupestre foi realizada em pedras e paredes de cavernas; meu projeto devia ser concretizado em peças de madeira! E optei por três cores: um tom de bege bem luminoso, o marrom e preto.

 

 

Animalis

Série Animalis, quando revi nos meus arquivos fotos de animais, eram vastos. As fotos já não bastavam, existia a necessidade de interagir com elas mudando a leitura dos animais inserindo-os em contextos da Concept Art. Trabalhando com Photoshop, realizei as criações, avesso a discurso com a certeza de que em cada imagem o observador formará opinião sobre o projeto.